Publicidade




Escolher Cidade
Atual: Santa Rita do Sapucaí.MG



Receba em seu email as novidades do portal



Publicidade




Imagens de solução


Url curta para divulgação: http://www.zineshow.com/newsZ2TFc31533

Data da publicação:


Compartilhe:


**** Clique nas imagens para ampliar ****




Foto: Pedro Ventura/Agência Brasilia

Com a chegada do período chuvoso, a atenção contra as doenças provocadas pelo Aedes aegypti deve ser redobrada. A água parada é o principal criadouro do mosquito. Confira abaixo as características dessas doenças e o que fazer para se prevenir delas. 

Dengue

A dengue é uma doença viral transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Também há registros de transmissão vertical (gestante – bebê) e por transfusão de sangue. Por ano, são registradas cerca de 50 milhões de infecções pela doença no mundo. No Brasil, ela foi identificada em 1986.

Sintomas: a pessoa infectada pelo vírus da dengue apresenta febre alta (entre 39 °C e 40 °C) que dura de 2 a 7 dias. Essa febre é acompanhada por dor de cabeça, fraqueza, dor atrás dos olhos e erupção e coceira na pele. Também são comuns perda de peso, náuseas e vômitos. Na forma grave da doença, são comuns dores abdominais intensas, vômitos e sangramento de mucosas

Tratamento: aos primeiros sintomas da doença, é necessário procurar um serviço de saúde. Como não existe tratamento específico, os médicos buscam aliviar os sintomas. O paciente não deve tomar medicamentos por conta própria e precisa fazer repouso e ingerir bastante líquido.

Prevenção: a única forma de prevenção é acabar com o mosquito, pois não existe vacina ou medicamentos contra dengue. Assim, é importante manter o domicílio sempre limpo, evitar água parada e eliminar os possíveis criadouros do mosquito.

Chikungunya

A circulação do vírus chikungunya foi identificado no Brasil, pela primeira vez, em 2014. Ele é transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti, em áreas urbanas, e pelo Aedes albopictus, em áreas rurais.

Sintomas: começam entre dois e doze dias após a picada do mosquito. A febre é alta, de início rápido, e é seguida por dores intensas nas articulações dos pés e das mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Também pode ocorrer dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. A pessoa infectada fica imune pelo resto da vida, pois não é possível ter chikungunya mais de uma vez.

Tratamento: a febre chinkungunya é tratada com paracetamol e as dores articulares com anti-inflamatórios. O Ministério  da Saúde não recomenda usar o ácido acetil salicílico (AAS), devido ao risco de hemorragia. O paciente deve ficar em repouso absoluto e beber líquidos em abundância.

Prevenção: para evitar a contaminação é preciso eliminar os criadouros de mosquitos nas casas. Quando há notificação de caso suspeito, as Secretarias Municipais de Saúde devem adotar ações de eliminação de focos do mosquito nas áreas próximas à residência e ao local de atendimento dos pacientes.

Zika

Também transmitido pelo Aedes aegypti, o zika vírus está relacionado com os casos de microcefalia. Ele foi identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015. No entanto, outras formas de contaminação são avaliadas. Segundo o Ministério da Saúde, não há evidências de transmissão do zika por meio do leite materno, assim como por urina e saliva. No entanto, há evidências de que o vírus pode ser sexualmente transmissível.

Sintomas:. os principais sintomas são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. Normalmente, a evolução da doença é benigna e os sintomas desaparecem espontaneamente após 3 a 7 dias. Caso apareça algum desses sinais, busque um serviço de saúde para atendimento.

Tratamento: o tratamento recomendado para quem apresenta esses sintomas se baseia no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e da dor. No caso de erupções na pele, também podem ser usados os anti-histamínicos.

Prevenção: para evitar a picada do mosquito, devem-se utilizar telas em janelas e portas. Para as grávidas, a recomendação é usar roupas compridas – calças e blusas – e, se deixar áreas do corpo expostas, aplicar repelente nessas áreas. Em março, o governo começou a distribuir repelentes para as gestantes do Bolsa Família. Outra forma de prevenção é praticar sexo seguro

Febre amarela

Doença que causa febre aguda, a febre amarela é transmitida ao homem pela picada de fêmeas do mosquito vetor infectado. Nas cidades, o vetor é o Aedes aegypti e em áreas rurais o mosquito Haemagogus.

Sintomas: febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (a pele e os olhos ficam amarelos) e hemorragias (de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina) são os principais sintomas. Também há casos de insuficiência hepática (fígado) e renal (rins) que, em muitos casos, evolui para óbito em aproximadamente uma semana.

Tratamento:  o paciente deve ser hospitalizado e permanecer em repouso com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado. Em casos graves, o paciente deve ser atendido numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Prevenção: para evitar a febre amarela é preciso se vacinar contra a doença. A vacina é gratuita e está disponível nos postos de saúde em qualquer época do ano. Ela deve ser aplicada 10 dias antes da viagem para as áreas de risco de transmissão da doença. Pode ser aplicada a partir dos 9 meses e é válida por 10 anos. A vacina é contraindicada a gestantes, imunodeprimidos (pessoas com o sistema imunológico debilitado) e pessoas alérgicas a gema de ovo.

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Ministério da Saúde e da Fiocruz 



Indique esta Notícia para seus Amigos:



Sugestões de Notícias?

Você tem alguma Notícia ou Artigo para publicar? Participe! Envie com fotos para portalzineshow@gmail.com.





Publicidade




Publicidade